Publicado por: otaodabiologia | 05/06/2010

Camada de ozônio – CFC

Desde que me conheço por gente, sempre me ensinaram que o buraco a camada de ozônio era causado pela ação humana. Mais exatamente, tal buraco era provocado pelo vazamento de CFC (cloro-flúor-carbono) de alguns aparelhos refrigerantes como ar-condicionado, geladeira e outros, sem contar inúmeros outros dispositivos. Para piorar a situação, a informação não era passada apenas pelos professores, mas também por todos os livros de ciências, química e biologia, com os quais tive contato durante minha vida escolar.

Nesses mesmos livros e nos discursos românticos do professorado, havia ainda a alusão ao fantástico movimento do ser humano em favor da natureza, quando estes se uniram politicamente nos anos 80 para proibir o uso do CFC. Os anos se passaram, terminei o Ensino Médio e fui para a Universidade. Lá, encontrei o mesmo discurso. Hoje, fico horrorizado em saber que durante os últimos anos não só acreditei em toda essa história como também passei uma informação completamente errada para meus alunos.

Durante os últimos anos venho dedicando parte do meu tempo de estudo para aprender um pouco mais sobre as mudanças climáticas atribuídas à ação humana. Durante esse período, tive acesso a alguns trabalhos muito interessantes do ponto de vista científico, mas que ficam à margem da mídia de massa. Não são discutidos, não tem sua existência nem ao menos mencionadas.

Um desses trabalhos demonstra como não há a possibilidade do CFC ser responsável pelo buraco na camada de ozônio. Em resumo, a teoria conhecida como “Dimer Chemistry ou Química Heterogênea” foi desenvolvida em 1987 para explicar como os CFCs atuam destruindo a camada de ozônio. Para tanto, são necessárias que 3 condições ocorram simultaneamente:

  1. temperatura ambiental inferior a -78ºC;
  2. formação de cristais de gelo nas nuvens estratosféricas polares compostas essencialmente de ácido nítrico e,
  3. luz solar.

Dada a existência das condições acima mencionadas ocorrendo ao mesmo tempo, ocorreriam as reações químicas abaixo:

(1) ClONO2 + HCl →  Cl2 + HNO3 , em presença de gelo de nuvens estratosféricas ácidas
(2) Cl2 + hv →  2Cl , em presença de luz (hv = radiação ultravioleta)
(3) Cl + O3 → ClO + O2
(4) ClO + ClO + M → Cl2O2 + M , em presença de um “terceiro” corpo (M)
(5) Cl2O2 + hv → Cl + ClOO
(6) ClOO+ M → Cl + O2 + M

A reação química resumida seria a conversão de 2 moléculas de ozônio em três moléculas de oxigênio, como exemplificado abaixo:

2O3 → 3O2

Contudo, se observarmos atentamente, o cloro não provém do CFC, mas de outras fontes como HCl e ClONO2 . Além disso, é pouco provável que a reação 5 ocorra na natureza (Eberstein, 1995), visto que o caminho de menor energia para a fotodissociação do peróxido de cloro (Cl2O2), proveniente da reação 4, seria a formação de dois radicais ClO. Ainda, poderiam ser formados Cl2O + O.

Outros experimentos em laboratório demonstraram que, se a fotodissociação realmente existe, sua taxa de produção quântica é muito pequena, sendo irrelevante para a destruição do ozônio estratosférico.

Os dados obtidos pelo NOAA (National Oceanic and Atmosferic Administration) afirmam que o buraco na camada de ozônio começa a se formar antes do nascer do Sol na Antártica. Ora, sem a luz solar é impossível ocorrer a reação química (2), passo fundamental para liberar átomos de cloro.

Se o CFC não é o responsável pelo “buraco na camada de ozônio”, então qual processo seria responsável?

Durante o período de inverno na Antártica, forma-se o vórtice circumpolar, um anel de ventos fortes que circunda todo o continente antártico e impede a entrada de ozônio de outras regiões. Obviamente, tal vórtice também impede a entrada dos CFCs. Nesse cenário temos, então, uma baixa quantidade de ozônio na região antártica – o ozônio é produzido em regiões tropicais devido às altas intensidades de radiação ultravioleta necessárias para sua formação – e uma baixa quantidade de CFCs, o que impossibilita a atribuição da destruição da camada ozônio à esses compostos. Para complicar ainda mais o cenário, outras fontes de flúor e cloro estão altamente ativas no continente antártico, como por exemplo o vulcão localizado no Monte Erebus, cujas três crateras lançam diariamente cerca de 1.200 toneladas de gás clorídrico (HCl) e 500 toneladas de gás fluorídrico (HF). Toda essa quantidade de gases ficam retidas na atmosfera polar devido ao vórtice polar e, possivelmente, são responsáveis pelas reações de conversão de ozônio em oxigênio, sem nenhuma interferência humana.

Corrente Circumpolar Antártica. Lembre-se que as correntes de ar são definidas pelas correntes marítimas.

No próximo artigo vou discutir os motivos pelos quais o CFC foi considerado como sendo o grande vilão ambiental e como foi banido das indústrias. Até a próxima!

____________________________
Eberstein, I. J. (1990). Photodissociation of Cl2O2 in the spring Antarctic lower stratosphere. Geophys. Res. Letters 17 (6):721-724.

Anúncios

Responses

  1. […] política do buraco na camada de ozônio Publiquei, recentemente, um artigo sobre equívocos científicos relacionados à formação do buraco na camada de ozônio. Nesse […]

  2. Muito bom!!!!

  3. Olá! Excelente artigo!!

    Fique um pouco confuso, você diz que os CFCs não são resposáveis pela deterioração da camada de ozonio na Antartida. Portanto, criticando todo esse movimento romantizado de “vamos salvar juntos o planeta”. Entendi que no caso especifico da Antardida o homem não têm inteferência… porém você iz que no caso dos trópicos a ausencia dos CFCs é um dos fatores que contribui para melhor desenvolvimento da tão aclamada camada de ozonio. Então é benefico a não utlização dos CFCs ou nossas emissões são irrelevantes??

  4. Sobre a teoria da conspiração


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: